terça-feira, 27 de julho de 2010

Livro de Gianni Ratto - Presentão de niver!!!


Puxa vida! Quatro meses depois ganhei mais um presente de aniversário!
Presentão do amigo Psicólogo e Diretor de Cinema Paulo Bayard
o Livro de Gianni Ratto

Antitratado de Cenografia: Variações sobre o Mesmo Tema

Gianni Ratto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.Ir para: navegação, pesquisa
Gianni Ratto (Milão, 1916 — São Paulo, 30 de dezembro de 2005) foi um diretor, cenógrafo, iluminador, figurista, escritor e ator italiano. Veio ao Brasil em 1954, a convite de Maria Della Costa para dirigir um espetáculo e aqui ficou.

Fundou, no ano de 1946, ao lado de Paolo Grassi e Giorgio Strehler, o Piccolo Teatro de Milão. Foi sua fama de cenógrafo que lhe garantiu um contrato com o Teatro alla Scalla de Milão, no cargo de vice-diretor técnico. Foi lá que teve a oportunidade de dirigir a diva da ópera Maria Callas.

Chegou ao Brasil no ano de 1954 a convite da atriz Maria Della Costa e seu marido Sandro Polônio. A intenção da atriz era que o encenador a dirigisse no espetáculo de inauguração de seu teatro e sua companhia teatral: O Canto da Cotovia, de Jean Anouilh.

A chance de dirigir uma companhia brasileira o seduziu. Já no ano seguinte (1955) dirigia uma obra brasileira: A Moratória, de Jorge Andrade. Atitude que ia na contramão da cena teatral da época, dominada pelo Teatro Brasileiro de Comédia, que contava com outros diversos encenadores italianos: Adolfo Celi, Ruggero Jacobbi, Flaminio Bolini Cerri e Luciano Salce, todos sob a proteção dos mecenas Franco Zampari e Cicillo Matarazzo.

No ano de 1959, uniu-se à companhia teatral Teatro dos Sete, formada por: Fernanda Montenegro, Fernando Torres, Sérgio Britto, Cleide Yáconis, Paulo Autran e outros. É considerado por muitos um dos renovadores da encenação brasileira ao lado de nomes como Ziembinski, Tomás Santa Rosa, Ruggero Jacobbi e Adolfo Celi.

Além de seus trabalhos no teatro, dirigiu várias óperas, inclusive no Theatro Municipal do Rio de Janeiro e no Scala de Milão, onde também acumulou as funções de cenógrafo e iluminador


PRESENTÃO! VALEU MANO!!!

2 comentários:

  1. Tenho esse livro do Ratto há alguns anos, e no ano passado comprei um outro, do Cyro Del Nero, também muito bom, sobre conografia. Chama-se "Máquina para os deuses", da Editora Senac. Vale a pena, é muito bem ilustrado.

    ResponderExcluir