quarta-feira, 6 de abril de 2011

Cia Artiurbana- Repertório 9


2008- WOODY NO DIVÃ - Imagine Woody Allen relatando suas histórias , neuroses para o seu psiquiatra? Foi com essa idéia em mente que entramos pela segunda vez no universo do Autor e Diretor Americano. O espetáculo iniciava no consultório que ficava no saguão de entrada do Teatro Zé Rodrigues ( no Bourbon Shopping Assis Brasil)Lá o personagem Sam falava com Dr. Groucho Marx e depois o público entrava no teatro, ou seja, na mente e nas lembranças do personagem.
No palco, uma sucessão de desencontros afetivos, sexuais , existênciais, encenados por outros 4 atores, ou seja, a memória de Sam dramatizada.
Todos os personagens utilizavam o mesmo figurino do protagonista, a cenografia foi criada e executada por Allex Manzônia: Cadeiras, mesas , bancos, adereços cênicos, O boneco psiquiatra da entrada e a enorme camisa que representava Woody.
A trilha feita por Edye cheia de efeitos e cortes dava o clima da neurose do personagem e dos personagens que estavam dentro dele.
Uma das peças que mais fiquei feliz de ter feito, até porque, como atuava só no final, pude dar mais atenção e visualizar melhor o trabalho.
Não tive o público do outro espetáculo inspirado em Woody que fiz, ficou abaixo do que esperávamos, foi uma temporada de espectadores regular.
Mas, no final, gostamos da experiência de voltar ao universo, foi rica e proveitosa em todos os sentidos. Ficou aquele gostinho de quero mais e de insatisfação pela recepção morna que teve esse espetáculo em sua temporada no Shopping.
Até hoje ainda discutimos onde erramos (e se erramos) para um espetáculo tão bem feitinho, bem cuidado técnicamente, não ter despertado maior interesse.
No fim, pagamos as contas, fizemos apenas uma temporada, ainda não voltamos com ele, quem sabe aconteça, e se não, fica a experiência, fica a história, fica o registro de mais um feito da nossa Cia Artiurbana.
E também, depois de um tempo eu cheguei a uma conclusão: Quem disse que toda a peça tem que ter anos e anos de carreira? Ela ter cumprido apenas uma, duas temporadas é fracasso? Não! Claro que como artistas e criadores queremos longa vida as nossas obras, mas, algumas tem sua vida curta e não menos interessante.
Elenco: Carolina Caon, Ita Ramires, Lesiane Morahto e Edye
Cenografia: Allex Manzônia
Op e Criação de luz: Vilmar Silva
Arte Gráfica e trilha: Edye
Texto e Direção: Luis Carlos Pretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário