domingo, 10 de abril de 2011

DAVID CAMARGO


"Eu te saúdo mestre!"- Era sempre assim que o folclórico e veterano ator David Camargo se dirigia a mim, sempre que me encontrava. Não que eu fosse um mestre, tampouco que ele assim me visse. Era o texto que ele me dizia na PAIXÃO DE CRISTO da Igreja DAS DORES. Sim, David era Judas e eu Jesus (cruzes!).
David e suas sacolinhas, seus jornais, seus "aperitivos" iam me visitar nas apresentações que eu fazia e durante muito tempo me rondou com uma peça cujo texto ele escreveu, ainda datilografada, queria que eu a montasse e o convidasse para ser o ator principal.
Toda a vez que a gente se encontrava ele me dizia: "E a nossa peça?" ou "Já te disse que escrevi uma peça?" E me dava mais uma cópia (Acho que me deu mais de dez!). Era uma peça espírita!
Sempre bati altos papos com ele, quando nos encontrávamos na Cia de arte, nos teatros e nas minhas peças (Ele ficava me esperando sair para conversar).
Um dos seus últimos trabalhos foi no longa A FORMATURA (Ainda em pós produção, cinema independente, com recursos próprios é difícil) do meu amigo PAULO BAYARD, que eu como produtor e diretor de elenco o convoquei.
David nos divertiu atuando ao lado da minha mãe, como um vovô taradinho! (Hilário!).
Querido David, respeito tua história, tua forma de fazer e ver a arte e por isso...Eu te saúdo!

David Camargo tornou-se conhecido como ator de teatro e cinema e trabalhou em cerca de 60 filmes recebeu, em 1998, um Kikito especial pelo conjunto da obra, no Festival de Cinema de Gramado.
Seu último trabalho foi a comédia Sonhei e Acordei.Importante figura da cena cultural gaúcha conhecido pela pluralidade de obras em que atuava,David Camargo apareceu pela primeira vez nas telas em 1961,desde então, atuou em muitos filmes, além de conquistar o prêmio de melhor ator na categoria super 8 no Festival de Cinema de Gramado de 2003.
David acompanhou as diferentes gerações de cineastas porto-alegrenses.
Entre o final dos anos 70 e início dos 80, quando o cinema gaúcho vivia um período de estagnação,ele protagonizou alguns filmes, principalmente os dirigidos por Antônio Carlos Textor, e aparece em um dos raros longas-metragens produzidos no Estado nesse período, "Domingo de Grenal", de 1979.
Com a chegada da nova geração do cinema, David Camargo passa a alternar papéis nos filmes de Textor, "Urbano", 1983, "Grafite", 1984,de Giba Assis Brasil e Carlos Gerbase, como o longa-metragem "Verdes Anos", 1983. A partir da década de 90, David diversificava ainda mais sua gama de atuação e protagonizava vídeos produzidos na cidade.
No final dos anos 90, o ator aparece nos filmes da mais nova geração de cineastas de Porto Alegre desenvolvendo um estilo marcado por personagens marginais, excluídos do convívio social, arquétipo que cristalizou-se na famosa apresentação do monólogo em um ato, "Consciência Parda", no qual David contracenava com uma caveira.

Um comentário:

  1. Homenagens:
    Em tempo: Em Teotônia RS - Festival de teatro - Prêmio David Camargo
    CEUACA - A Biblioteca tinha o nome de Biblioteca David Camargo, em homenagem ao ator e morador vitalício que morreu no ano de 2006 e nunca se desligou da casa.

    ResponderExcluir