quinta-feira, 29 de setembro de 2011

1ª MOSTRA DE TEATRO ESPÍRITA - Começa Sexta-Feira

Mais um sonho começando a ser realizado. Reunir todas as minhas peças espíritas em um único evento. Mais de 40 pessoas entre artistas, técnicos e apoiadores vibrando a favor desse acontecimento.
Começa nesta sexta-feira! Ingressos antecipados na Banca Folhetim e na Secretaria do Instituto Espírita Dias da Cruz (Av. Azenha 366).

domingo, 25 de setembro de 2011

Filmes que não valem a pena gastar dinheiro no cinema 1


Sou cinéfilo e isso todos podem observar pelos meus posts. Meu blog agora com o advento do facebook tem menos comentários pessoais, desabafos, críticas que eu posto direto lá. Acho que motivado por uma maior interatividade. Os gestores dos blogs deveriam estar atentos e facilitar isso, pois é ótimo para quem escreve, esse retorno quase imediato.Aqui tem sido geralmente um rodizio das mesmas coisas: Filmes/teatro/minhas peças.
Filmes que não valem gastar dinheiro no cinema 1 - É o nome que dei a uma série de filmes que eu comprei diretamente em DVDS (Aqueles sim! Mais acessíveis financeiramente! kkk). Vou comprando e quando vi, estava com quase duas dezenas de filmes na espera. Ainda sem muito ânimo e fazendo uma seleção, vou assistindo nos horários de folga e paciência e relatando aqui.

RED - Aposentados e perigosos - Mais do mesmo que tem visitado os cinemas nos últimos tempos: Filmes inspirados em HQ. Com o mais do mesmo de Bruce Willis/Morgan Freeman/John Malkovich.
Se a história em si não trazia nada de novo (vide Watchmen), aposentados agentes sendo caçados e exterminados por um "vilão", unem-se para derrotá-lo, também mostra Bruce Willis fazendo o que ele já faz há duas décadas ( e olha que parece que ele tem talento e condições de fazer outras coisas), Morgan Freeman que assim como Willis é o mesmo, tanto fisicamente quanto em filmes. E o bom John Malkovich fazendo o que faz bem: Personagens mais perturbados.
Não que eu não goste do trio principal, gosto! E também simpatizei vendo esse "mais do mesmo"! Uma surpresinha rara aqui, outra ali, o antagonista deles que depois se mostra ter sido enganado, boas cenas de ação, algumas absurdas demais para um filme que se leva a sério, que apesar de ter sido originado de HQ, não é de super-Heróis.
Legal se não levado a sério! (Como eu fiz!)

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

DEVOLUÇÃO INDUSTRIAL - POA EM CENA


O POA EM CENA está encerrando as atividades desse 18º ano. Novamente porque sou de um "mundo alternativo" estava sempre em atividade com meus ensaios e espetáculos em paralelo ao festival e pouco pude assistir e aproveitar. Assisti a um único espetáculo a convite de Marcelo Adams que coordena o blog do festival e escrevi sobre ele no www.poaemcena.blogspot.com.
Ano passado havia sido convidado também por Rodrigo Monteiro, mas infelizmente não tive como aceitá-lo. Esse ano, consegui e vi um espetáculo extremamente surpreendente e belo:

Uma surpresa atrás da outra, assim eu definiria as quase duas horas que me consumiram entre a expectativa, a apresentação e o encerramento do espetáculo.

Eram 16 horas de um domingo maravilhoso e o teatro estava cheio, que bom! Para eles, para o festival e para nós!

A peça aborda a evolução da raça humana e seus progressos industriais, suas descobertas que se tornam também as nossas.

Deus (?) Está lá presente com seu sopro divino nos mostrando como tudo começou: Dos seres unicelulares até sermos apresentados ao “Homo Sapiens” e “Mulher Sapiens” que também se apresentam, e se descobrem. Partindo dali para um “desfile” onde os personagens: Cantam, plantam, colhem, descobrem, brincam, cozinham e utilizam as máquinas inventadas e descobertas das formas mais interessantes possíveis.

Circo Teatro Udi Grudi –O nome desse Grupo com 28 anos de trajetória que veio de Brasília (DF): O Teatro já havia nos sido mostrado na entrada: Cenografia, luz, figurinos, adereços cênicos, três competentes atores, tudo na medida. O Circo nos foi passado em pequenas e grandes doses de Clown, malabares, mágica (ilusionismo) como preciosas ferramentas no auxílio da narrativa, tornando o espetáculo lúdico e encantador também aos olhos das crianças.

Fazia muito tempo que não via a cenografia de uma peça ser tão bem feita/executada/utilizada, tudo sendo “descoberto”, transformado diante de nossos olhos e no fim ver o espetáculo terminar com um cenário bem diferente do inicial.

Um trenzinho que dá vontade de voltar a ser criança , um banco que transforma-se em disputa, em dificuldade, em edifício, um instrumento simples que torna-se musical pela “engenharia”, o instrumento próprio do ser: A voz em frases, grunhidos, imitações e cantares.

No final, os cinco sentidos da platéia sendo explorados (e porque não o sexto?): Visão (cenografia/figurinos) , tato (toque dos atores no público/interação), audição (vozes afinadas e instrumentos deliciosos de ouvir) olfato ( o cheiro bom da sopa sendo preparada) e o paladar ( a sopa foi servida, bom apetite!).

É a terceira vez que eles vem para Porto Alegre, um prato bom, a gente sempre quer repetir, não é mesmo?

PS Não sabia que nós Gaúchos (pelo menos o público desse dia) era tão relutante em participar e interagir com os artistas, eles tiveram que insistir um bocado para que um adulto e duas crianças fossem ao palco participar.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Hola Manda-Chuva!


A frase do título do post é uma brincadeira com o nome do blog do colega Diretor Teatral Gilberto Fonseca: Adios Mandachuva. ( http://adiosmandachuva.blogspot.com/).
Pois nessa sexta-feira fui surpreendido com o pedido do meu filho caçula Luigi: Queria assistir Manda-Chuva o filme!Tinha uma vaga lembrança de que um filme com o "Top Cat" iria entrar em cartaz e conferi no jornal. Bom, pedido aceito, fui juntamente com o filhote do meio Andrey e nos encontramos com a primogênita Juliana no cinema.
Assisti muito Manda-Chuva na infância, nunca fui seu fã, mas também nunca fugi do desenho do gato malandro e sua turma, assistia na boa.
Antes do filme começar, minha filha, incluída de última hora na sessão de cinema, falou que assistia direto no SBT durante sua infância (Eu nem lembrava disso).
Uma sessão exclusiva para os Prettos, só nos quatro no cinema! O resultado do filme é interessante, atualizaram a rotina dos felinos que era inspirado na década de 60 ainda, (Ex. Guarda Belo ouve o telefone tocar e aparece aquele famoso "orelhão" do beco, mas não, era o seu celular). Gags, piadas visuais, tiradas típicas dos desenhos de hoje tentam reviver o personagem de Hanna Barbera.
Como disse anteriormente, por não ser fã do personagem, não fiquei aborrecido com uma nova abordagem digamos mais "politicamente correta", nem relevei as alterações (poucas na minha visão). Mesmo assim, não se vê hoje em dia, personagens de filmes infantis querendo roubar, como no caso deles atrás dos Rubis de um marajá.
O interessante logo de cara, as placas todas em espanhol ou invés do inglês, então busquei informações e é uma produção México-Argentina . No México o personagem sempre foi muito mais popular do que na sua "terra".
Acho que é um filme com pouco futuro nos cinemas, pois o visual não é o que a gurizada gosta e está acostumada atualmente, as crianças de ontem talvez se aborreçam.
Para mim, foram minutos legais (Ok! Poderia ser mais curto o filme!) com os meus herdeiros, pipocas,refris e chocolates!
Agora voltando ao meu colega Gilberto Fonseca ...Será que ele terá coragem de assistir?
Ele diria Adios Mandachuva pra sempre? Ou assim como eu, simpatizaria um pouco com a versão 2011 do Top Cat?

Ps. Procurei informações para saber se o grande Lima Duarte que fazia a voz do Gato protagonista na série, aparecia ao menos em uma participaçãozinha vocal no filme. Acho que não!

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Cowboys & Aliens


Chama atenção a junção desses dois gêneros absolutamente opostos: Western e Ficção Científica. Já vale um ponto pela criatividade do autor original da idéia Scott Mitchell Rosenberg que foi concebida para uma história em quadrinhos e ganhou as telas de cinema.
Unindo-se nessa mistura o Diretor dos bons filmes da Marvel Homem de Ferro 1 e 2, Jon Fraveau, o novo James Bond Daniel Craig e o nosso eterno "Indy","Han Solo", "Blad Runner" Harrison Ford.
Fui em busca de diversão, então por isso, não me decepcionei, tudo o que me foi mostrado em quase duas horas eu acreditei e comprei a idéia (Salvo os já manjados exageiros que o herói "humano" sempre acaba fazendo, que apesar da gente ter a noção de que é um filme e relevar, nos irrita).
Daniel Craig é Jake Lonergan um homem que acorda no meio do deserto, com amnésia e um estranho bracelete. Vai até a Cidade próxima onde descobre que é procurado por roubo e também por alguns "seres de outro planeta".
Harrison Ford (Meu ídolo) Surge pra minha alegria e surpresa como o antagonista de Craig . Na sua primeira cena como um rancheiro inescrupuloso que "pune" seu empregado, ele tem uma atuação bem diferente do que estamos acostumados e mostra um bom vilão mesmo.
Depois, no decorrer da carruagem, o personagem fica menos tenso, mais maleável e mais perto do mesmo que Harrison fez com seus heróis anteriores do cinema (Que pena!). Ou seja, o aparente antagonista, se transforma em um Han Solo mais velho junto com um Luke (Nada inocente e bonzinho) na luta contra os alienígenas.
Efeitos ótimos, fotografia de encher os olhos, filme de ação que cumpre o que promete no quesito ação!
E a ficção científica está lá explicando e justificando o propósito dos aliens e de um que está infiltrado sob forma humana (quem será?).

PS. NOTA TERRÍVEL: Um casal (Média de 40 anos, não crianças, tampouco adolescentes) absolutamente sem noção sentou ao meu lado, puxaram uma sacola plástica que vinha dentro de uma outra que a mulher carregava. Beberam 4 latas de CERVEJA, comeram MAC (Sim! Isso mesmo!) e falavam o tempo todo tentando "adivinhar" o que acontecia na seqüencia. Infelizmente não tinha como eu trocar de lugar, e também não o faria, pois estava bem localizado.
Final do filme saí apressado antes de dizer algumas coisas a esses "farofeiros de cinema" sem noção. Pipoca, bala, refri, a gente até "tolera" os ruídos e tals! Mas aguentar cheiro de cerveja e mac no cinema é f*!



terça-feira, 6 de setembro de 2011

LEGALIDADE, O MUSICAL EU VI! (PELA TV!)


Já sabia o que Luciano Alabarse e suas dezenas de colaboradores estavam "aprontando" graças a imprensa e as maravilhosas ferramentas da internet como: blogs e o facebook, cujos colegas envolvidos iam nos informando sobre os ensaios, postando fotos e vídeos.
O calor de domingo me incomodou muito (Sim, tenho grandes problemas com o calor!), então permaneci na minha caverna e as 20hs sintonizei na TVE, pois a apresentação seria ao vivo!
Sabia de antemão que teríamos ali colegas extremamente capazes e que veria uma ótima performance de todos, e o vi. O que mais me surpreendeu foi a cobertura ao vivo!
Sou fanático por futebol! Adoro meu Grêmio, assisto sempre quando posso as partidas ao vivo de casa, do computador ou de um aconchegante barzinho (Não curto ir ao estádio) e fiquei fascinado pois associei essa transmissão a de uma partida de futebol, explico.
Na abertura das transmissões, as câmeras abrem-se para o tapete verde onde vão desfilar os atletas, mostra o público, e o narrador e comentaristas explicam detalhes e falam da expectativa da partida.
O mesmo ocorreu, mostrou o palácio, os locais da encenação e o grande público ali presente.
O repórter fala com o técnico antes da partida/O repórter fala com Alabarse antes da apresentação.
O repórter fala com os jogadores antes da partida/O repórter fala com o Dramaturgo e com o Diretor Músical da peça.
A partida inicia e a câmera acompanha com planos geral e fechados com narrador/O espetáculo inicia e a câmeras acompanham o desenvolvimento da ação (felizmente sem narrador e sim os envolvidos cênicamente na proposta).
A emoção é transmitida, com o som da torcida, do barulho da bola, com suas cores e climas/A emoção é transmitida com imagens muito bem captadas/cortes precisos e bom som!
Jogadores com raça buscando o melhor resultado, ora com jogadas fabulosas, outras mais curtas mas efetivas/Atores com raça buscando o melhor resultado, ora com atuações e marcações fabulosas, outras mais simples, mas extremamente objetivas e bem feitas.
No final aplausos (Ou vaias!)/No final aplausos, muitos aplausos.
O repórter vai falar com os jogadores para saber suas impressões sobre a partida./O repórter vai falar com os atores e envolvidos na encenação sobre o que acharam, como se sentiram durante a execução da mesma.
O repórter fala com a torcida/O repórter fala com o público.
Adorei as duas coisas: Ter assistido esse trabalho e do recurso da transmissão ao vivo!
Isso me fez lembrar de um tempo muito antigo (Que eu não vivi!) O tele-teatro, ou o teatro ao vivo captado por uma emissora de TV.
A TVE antigamente captava peças de teatro praticamente na íntegra e os exibia com entrevistas da Cia Teatral envolvida , era muito legal. Mas fazer ali ao vivo como domingo, é de arrepiar! Amei!
Esta aí uma ótima idéia!

sábado, 3 de setembro de 2011

Sarau com Ritmo - Elis Regina

Por iniciativa do escritor Benedito Saldanha, haverá nesta terça-feira 06/09 na Sala Luis Cosme na Casa de Cultura Mário Quintana, 4º andar o Sarau com Ritmo as 19hs.
Vou estar presente prestigiando a iniciativa desse amigo ativista cultural.

Bom,
Para quem não sabe, além desse blog, mantenho dois (Cujas atualizações vocês podem sempre conferir na lista de blogs que eu sigo). São eles: www.ciaharibollteatro.blogspot.com, onde eu trato assuntos da minha Cia de Teatro espírita e www.mosketeirasteatro.blogspot.com que é dedicada a minha nova peça que estreou esse ano.
Ambos os blogs mantém atualizações dessas atividades e também informações a respeito delas.
Mosketeiras volta em curta temporada a partir de 15 de outubro, antecedida pela 1ª Mostra de Teatro Espírita de 30/09 a 09/10.