terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O querer e o esquecer

Em 2011 conheci muita gente legal, fiquei com algumas, afinal de contas, me rendi a essas amostra grátis de um suposto relacionamento e intimidade. Mas gosto de me apaixonar e no ano que passou me apaixonei duas vezes, uma em cada semestre.
- Que novidade! - Diriam meus amigos mais próximos, sabedores que me apego fácil. Mas eu respondo a eles que me encanto pelo profissionalismo, pela beleza física, pela inteligência, pelo espírito de algumas, mas me considero apaixonado quando o meu pensamento se estende por horas, dias, semanas e meses por um único ser.
Meu peito dói como nos meus  treze anos e isso nunca mudou, perco o controle das minhas ações, suspiro, e começo a querer e buscar ter a pessoa ao meu lado o maior tempo possível.
Não tenho tipo, não sou exigente, mas não contrario o que sinto, tampouco fujo, pois amo estar apaixonado e não tenho medo do não, do mundo, da razão.
Acho que fiz o que eu podia (?) para ter essas pessoas junto a mim da forma como eu queria, infelizmente (?) não tive essa vontade e energia a meu favor.
Eu invisto 1.000% do meu pensamento, das minhas atitudes, da minha entrega para quem é o alvo desse meu "estranho" sentimento.
Ao mesmo tempo sou orgulhoso, exijo ser correspondido, respeito a forma de ser e agir de cada pessoa, mas me dê seu 1% com entrega e vontade e fico feliz. Recuo ao menor sinal de que não é correspondido, aposentei minha clava de homem das cavernas a muito tempo, então não derrubo ninguém e arrasto pelos cabelos para minha caverna (Ok! Em algumas situações até posso virar um troglodita), acredito na flor, na poesia, na canção, na leveza, na energia e elas olham de longe, acham lindo, mas não entendem, não se sensibilizam, ou simplesmente não querem. (algo normal e compreensível).
Não sei fazer joguinhos, não tenho paciência, não gosto de sofrer, mas não me omito de sentir e querer.
Desisti dessas duas pessoas? Não! Deixei de gostar ou de pensar? Não!
Mas tudo vai se modificando, energias se dispersando, se transformando...
Enquanto isso, respeito pessoas que me querem, mas que nada posso fazer, aceito as investidas, mas me incomoda a insistência, por isso...não insisto.
São dois momentos que adoro quando me envolvo afetivamente com alguém: 
O querer e o esquecer

Como trilha desse post, a música dos meus queridos amigos da Banda Rotações (www.rotacoeslp.com)

VOU ASSIM...


Nenhum comentário:

Postar um comentário