sexta-feira, 1 de junho de 2012

O Espiritismo me levou ao teatro...


"O Teatro me levou até o espiritismo. O espiritismo me levou até o teatro"
É uma frase que escrevi há tempos, e que resume minha trajetória artística, e que neste post vou ilustrá-la.
Sempre fui artista, minha formação inicial era 100% amadora e autodidata, e que no passar dos anos evoluiu com o estudo, pesquisa e trabalho com outros colegas das artes cênicas.
Foi o Teatro, minha paixão desde sempre, que fazia com que eu liderasse naturalmente as turmas das escolas, dos cursinhos, dos amigos, dos familiares, das igrejas, para esse fim.
Vendo essa vontade, minha tia Nair, em 1993 me convidou para dar uma oficina de teatro para os jovens da evangelização do Instituto Espírita Dias da Cruz. Eu na época era evangélico, mas aceitei porque o amor a arte não tem essa barreira religiosa.
Chegando lá, ao ver os jovens, a importância daquele Instituto perante a Cidade, eu tive que pesquisar, estudar a fundo o que significava aquilo tudo, a história da casa e é claro, a Doutrina que justificava todo aquele trabalho: O Espiritismo.
Me "converti" rapidinho, pois a associação com o pensamento, com a filosofia, foi imediata, me fazendo cada vez mais buscar informações. Tive problemas com meus amigos evangélicos que não aceitaram, falaram que eu havia me desviado, mas no final das contas, tudo ficou bem. 
Da mesma forma, a responsabilidade de dar aula, ou seja, já não estavam mais ali na minha frente meus amigos, colegas, parentes, e sim, jovens sedentos de uma experiência artística, me fez deixar o amadorismo de lado.
Fiz dezenas de cursos, pesquisas, trabalhei com vários atores e diretores profissionais, e ia repassando tudo isso a eles, enquanto construíamos nossos próprios espetáculos.
"O Teatro me levou até o espiritismo"
Os anos se passaram e cada vez eu me aprofundava mais, tanto no estudo das artes cênicas, quanto no da Doutrina Espírita, passando a trabalhar em vários setores da casa, também a dar palestras, o último estágio.
Minha vocação de artista pedia para que eu estivesse em cartaz, mas como eu conhecia poucos profissionais, e não me afinizava com a forma de ver a arte de alguns, resolvi sete anos depois do início do Grupo Perseverança, formar meu próprio Grupo: ARTIURBANA em 2000.
Com ele, eu consegui ter meu próprio espaço e preencher uma vaga em aberto na programação cultural de Porto Alegre, o Teatro Espírita.
Hoje, são 12 anos de trajetória, de espetáculos simples, porém de uma entrega e vibração extremamente necessárias para a sobrevivência desse estilo de arte. Hoje sou conhecido, meus espetáculos também, se tecnicamente minha formação amadora ainda deixa a desejar para alguns, a vontade de crescer, o estudo e a pesquisa, vão ajudando a melhorar aos poucos.
Acima de tudo, sinto a simpatia, o respeito por mim e pelo meu grupo e uma legião de pessoas que vibram ao nosso favor, que nos assistem e não são público somente. São fãs, amigos e irmãos.
Hoje sou um artista que vive do seu trabalho, um Diretor e ator registrado pelo SATED/RS após ter o seu trabalho reconhecido pela comissão do Sindicato dos Artistas. Tenho a Cia Hariboll que desde 2009 cuida somente das peças espíritas e tenho CAMINHOS QUE CRUZEI, AMIGOS QUE ENCONTREI a peça espírita de maior longevidade do Sul do País e entre as 4 do Brasil.
E agora, em 2012 vou realizar no Teatro da AMRIGS, um grande evento onde todas as minhas peças espíritas serão reunidas: A 2ª MOSTRA DE TEATRO ESPÍRITA
Mais informações em: www.hariboll.yolasite.com

"O Espiritismo me levou ao teatro".

Luis Carlos Pretto


Um comentário:

  1. Esta tragetória, até aqui, foi alcançada com com muito trabalho, e trabalho duro, sou testemunha!
    Nos faz lembrar desta frase verdadeira,"O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário", e trabalho, unido a temática espírita e ao talento, dá um pacotão de que somos presenteados a cada temporada.
    Sucesso sempre!
    Beijos, tia.

    ResponderExcluir