sábado, 4 de maio de 2013

SOMOS TÃO JOVENS!

 
Os críticos vão dizer que o filme é pop, arrisca-se pouco, não tem muita profundidade na personalidade do personagem central e dos assuntos relativos a juventude do artista Renato Russo.
Não estarão eles errados em tecer esses comentários, pois o filme é leve, não se compromete muito, não explora muito a fundo a rebeldia, a depressão, os conflitos e as histórias que todo o fã conhece com mais detalhes.
O fã parece que é fácil de agradar e conquistar com filmes do seu ídolo, isso acontece, porém, é o maior crítico quando a obra de arte inspirada nele não o convence.
Eu fui convencido, na simplicidade do trabalho realizado e acho que os outros também gostarão, é um bom prato que dá vontade de repetir.
Thiago Mendonça está para Renato assim como Daniel esteve para Cazuza, em uma atuação ótima, completa, digna de um bom artista jovem (Com trinta anos interpretando um jovem dos dezesseis aos vinte e poucos) e convence.
A fotografia e a direção de arte fazem a gente viajar no tempo nas arquiteturas antigas, nos figurinos, acessórios, eletrodomésticos, mostrando um ótimo serviço também dos responsáveis por essa equipe do filme dando veracidade a época que ele é retratado.
O elenco jovem dá conta do recado, prestando "assessoria" a estrela realmente que é o protagonista em todos os momentos. Legal assistir como eles se divertiam, trocavam ideias, levavam abordagem da polícia nos anos da ditadura e a amizade de vários amigos em comum que formaram futuramente bandas como: Paralamas do Sucesso (Herbert também aparece), Plebe Rude e Capital Inicial.
O Filme aborda a juventude de Renato, a formação da sua banda punk ABORTO ELÉTRICO, sua pequena carreira solo como TROVADOR SOLITÁRIO e termina com a grande obra da sua vida A LEGIÃO URBANA partindo para o seu show no Rio de Janeiro.
A trilha do filme é do músico CARLOS TRILHA, parceiro de Renato em seus discos solos e parceiro da banda nos últimos cds lançados e shows.
Os fãs e os sensíveis como eu irão encher os olhos d'agua, bater o pé no chão acompanhando o ritmo, irão cantar as músicas e matar ao menos um pouco da saudade de um ídolo e de um tempo que se foi.
Um filme leve, bom Fiquei feliz e necessário para apagar a horrorosa impressão da "homenagem" a Legião Urbana com o Wagner Moura nos vocais! ( Brrrrr!!!!).
Como disse antes, um filme pop, leve e simples como a maioria das canções da Legião.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário