domingo, 3 de novembro de 2013

A FÚRIA DOS TITÃS - 24 ANOS DEPOIS



Em 1989 no ginásio do gigantinho, esperei quase duas horas para entrar para assistir o show de lançamento do disco OBLESQ BLOM, cuja música de trabalho que estourava nas rádios era FLORES.
O ginásio ficou lotado de jovens rockeiros e uma roda de punks ou os mais exaltados faziam sua "coreografia" de dar chutes no ar perto do palco.
Eram meus ídolos desde o primeiro disco, ali ao vivo, fazendo o público pular aos acordes de MISÉRIA, a música que abria o disco recém-lançado.
Era a fúria dos Titãs ali presente ainda com Nando Reis, Marcelo Fromer e o Arnaldo Antunes, uma noite de rock na veia que ficou para sempre registrado na mente.
Os anos passaram para todos e depois disso veio a fase metal, a fase experimental, a fase acústica e eu sempre acompanhando de longe ora gostando, ora detestando o material gravado, mas fã sempre.
Falta de grana, falta de vontade, sei lá, passaram-se os anos e nunca mais fui a um show deles que assim como Roberto Carlos, no mínimo uma vez por ano aparecem por essas bandas da Capital gaúcha.
Graças a um presente da filhota, nessa última sexta-feira 01/11/13 os reencontrei ao vivo.
Foi também meu reencontro com o tio AUDITÓRIO ARAÚJO VIANNA, inegavelmente belo e bem administrado, limpo, com equipe de funcionários bem preparada e cordial.
Enquanto aguardava o show, lembrei da loucura que foi em 1989 e com espanto observava que a maioria do público que ocupava o local perfeitamente acomodados, era composto de casais, mulheres e famílias.
Onde estavam os jovens de preto? Depois do show iniciado vi que além de algumas dezenas que pulavam na frente do palco, os outros estavam no peito de vários senhores de quarenta anos como eu.
TITÃS - INÉDITO é a nova turnê onde eles mostram ao vivo dez canções inéditas que abrem o show. Infelizmente não pude curtir as novas canções porque simplesmente não consegui entender o que os vocalistas cantavam (Como pode uma coisa básica como o microfone do vocalista estar abaixo ou no mesmo volume do que os instrumentos?). Deu para notar que a pegada continuava a mesma, que eles não escondiam de ninguém que ainda precisavam ler as letras das novas canções no palco e que o público respeitou esse novo momento bem sentadinhos nas cadeiras.
Só entendi a música nova chamada "NÃO PODE", as outras, lembro o nome porque eles anunciaram antes de tocar, já que entendia três a cada palavra que eles cantavam. Como disse antes, a pegada rock e a identidade titãnica dos vocais e dos riffs de Belloto seguiam em forma.
Após a recepção morna e respeitosa do público com as novas canções, chegou a hora da fúria dos titãs aparecer e o público levantou e ressuscitou após os primeiros acordes de LUGAR NENHUM, música do álbum JESUS NÃO TEM DENTES NO PAÍS DOS BANGUELAS.
Com a porteira aberta dos hits, foi um verdadeiro show de rock mostrando um pouco do grande material de uma das melhores bandas de rock que o Brasil já teve.
Os "meninos" continuam bons, cantando com garra, com vontade, dá pra ver que acima de tudo, amam estar no palco e serem os Titãs, quem queria sair fora saiu e não fazem mais falta, que continuem felizes e prósperos em suas carreiras-solo (Arnaldo e Nando).
Apenas duas baladas para o desespero de quem achava que seria um show para namorar, para ficar sentadinho: A fantástica EPITÁFIO, e a surpresa É PRECISO SABER VIVER de Roberto Carlos, a última do show.
Uma das músicas mais pedidas foi executada de uma forma extremamente "suja" e mais acelerada que de costume, POLÍCIA foi gritada aos berros por Sérgio Britto em uma barulheira infernal, ficando uma música menos Titãs e mais Sepultura.
A música que mais amei ouvir ao vivo foi DESORDEM que incrivelmente está mais atual que nunca.
A fúria dos Titãs continua para a alegria dos seus fãs rockeiros, após a fase acústica, após a fase love e experimental, ao menos no show , o rock bem pegado segue sendo o protagonista!
Saí feliz de lá. apenas lamentando a ausência de outras pessoas queridas junto a mim, feliz com o resgate do auditório Araujo Vianna, com a estrutura, segurança, profissionalismo que a casa está sendo administrada (preferia que isso fosse feito pela Prefeitura, mas isso é utopia!).
Feliz por ver de perto meus ídolos da adolescência e ver que continuam ótimos, bem e principalmente curtindo fazer o que fazem: Britto, Belotto, Branco e Miklos.
A VIDA ATÉ PARECE UMA FESTA! (E o zumbido no ouvido até agora!)

MÚSICAS DO SHOW (Não estão na ordem):
Abertura: dez músicas inéditas, Sonífera ilha, Polícia, Cabeça dinossauro,Marvin, aa uu, homem primata, bichos escrotos, família, lugar nenhum, desordem, flores, comida, diversão, o pulso, epitáfio, a maior banda de todos os tempos da última semana, vossa excelência, é preciso saber viver

Disco lançado em 1989 que assisti o show

Nenhum comentário:

Postar um comentário