quinta-feira, 28 de novembro de 2013

TODA FEITA - Grupo TEATRO LÁ EM CASA





TODA FEITA é o novo espetáculo do GRUPO TEATRO LÁ EM CASA.
Escrito e dirigido por Pedro Delgado
É uma nova versão para o texto encenado em forma de monólogo por Pedro Delgado chamado VESTIDA DO AVESSO.
Trazendo a experiência da encenação anterior e colocando em prática o resultado de sua tese de mestrado em artes cênicas, Pedro nos entrega um espetáculo visualmente belo e provocante.
O texto de Berna Herculine, a professora transexual agora é dividido entre quatro atores que se revezam na personagem, assim como são os narradores da sua história e contra-regras.
Todos ficam o tempo todo em cena sempre com alguma atividade em prol do espetáculo, mesmo quando não estão com a "bola", ou seja, não estão doando sua energia física, seu corpo para Berna.
No início somos convidados a entrar na "sala de reuniões" onde a professora Berna irá conversar com os pais dos seus alunos, e o assunto da reunião torna-se um desabafo da professora.
A partir dali o espectador é provocado o tempo todo pelo figurino, pela cenografia, pelo texto e pelos atores por intermédio de momentos fortes que poderão incomodar alguns, mas nenhuma ação física ou cena é tão chocante como a história de vida dessa professora.
Assim como um bom time de futebol bem organizado pelo técnico para jogar bem, ocupar os espaços, os atores estão dispostos cada um em sua função, sustentando a base cênica, trazendo veracidade e nos fazendo "comprar" a história.
Éverton Barreto nos conquista com sua força na interpretação, sendo dele os melhores momentos da peça. Pedro Delgado atua como o meio campista do time, direcionando a bola, tratando ela com carinho, com intimidade fazendo suas embaixadinhas e passando redondinha para os colegas. Douglas Carvalho tem seu momento de brilho ao cantar divinamente e seu habitual comprometimento cênico, profissionalismo e parceria que dá gosto de ver. Ao jovem Jean Netto cabe uma função mais de contra-regragem, que ele executa muito bem, o seu visual ficou fantástico, e quando chamado também para ser o narrador/Berna o faz com bons resultados.
Com a nova dinâmica e a direção de Pedro Delgado o espetáculo ficou bonito, moderno e provocante.
A estética Queer (como você pode ver nas fotos) trouxe um belo visual e todos os acessórios, adereços cênicos e figurinos tem sua função, tudo está plenamente justificado e o público que ainda não "captou", passa com o desenvolvimento da peça a entender.
Leandro Gass mostra novamente seu bom trabalho de um "pensador" que a partir da idéia do diretor, cria e opera seu plano de luz a contento.
A trilha sonora é feita de recortes, remixes, conduzem os momentos que a solicitam e permitem que Éverton Barreto nos mostre um pouco do que já faz muito bem em seus anos de carreira.
Temos ainda o uso de imagens projetadas de uma forma muito bem feita...(Toda feita?)
Não vou dar mais detalhes do que acontece em cena para não estragar a surpresa e porque nada que eu possa relatar aqui se compara ao ver e sentir ao vivo.
Amigos que gostam de teatro, permitam-se provocar-se, assistam espetáculos como esse e todos os demais que fujam do seu gosto/costume, vale a pena!

SINOPSE E FICHA TÉCNICA, segundo a divulgação do Grupo:
Sinopse: 
Cansada de ostentar uma máscara criada por uma sociedade normativa ou de esconder-se atrás dela, Berna Herculine rompe com seu próprio silêncio para se fazer perceber. Ela transcende paradigmas conservadores numa tentativa de se fazer entender enquanto resultado de uma construção sócio-cultural. TODA FEITA trata-se de um espetáculo teatral que apresenta os conflitos de uma transexual e sua insatisfação com o lugar periférico social que lhe cabe habitar. Esta, não se constitui como um corpo único, mas como corpos diversos que se completam e se multiplicam em suas semelhanças e diferenças. Assim, o personagem não é um único, mas um arquétipo que dá origem a outros corpos que se constroem num território negativo engendrado a partir de conceitos conservadores que normatizam as construções sexuais e de gênero. A Teoria Queer é utilizada como aporte teórico dessa concepção bem como a hermenêutica para um espetáculo desviante e perturbador.

Ficha Técnica:
Texto e direção: Pedro Delgado
Elenco: Everton Barreto, Douglas Carvalho, Jean Netto e Pedro Delgado
Criação de Luz: Leandro Gass
Operação de Som: Leandro Ribeiro
Fotos: Vilmar Carvalhoho. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário