quarta-feira, 21 de outubro de 2009

ATÉ QUE A MORTE NOS APROXIME!


Incrível, não há evento que reúna tantas pessoas do nosso passado entre amigos, vizinhos, familiares do que o velório e o enterro de alguém.
Você pode fazer a maior festa do mundo, convidar todos os que a tua memória permitir, disponibilizar carro, viagens de avião para que elas não percam o evento mas nunca, nunca a presença vai ser tão certa quanto em um enterro.
Em dois meses fui em dois, e no meio de toda a tristeza que está em um ambiente desses, muitos sorrisos, abraços apertados de gente que sem a morte visitar não fazem parte mais de nossa vida e rotina.
Uma ex aluna ainda jovem desencarnou em um acidente de carro. Revi ex- alunos de dez, quinze anos atrás. Hoje pais, esposas, maridos, profissionais formados, porém com o mesmo olhar e sorriso de adolescentes, crianças.
Um tio também despediu-se do plano físico e encontrei amigos de 20 anos, parentes e conhecidos que o tempo ausentou mas não apagou da memória. Inclusive a ex-namorada de 18 anos atrás.
Sempre há a lamentação de que só nos encontramos por causa do motivo fúnebre, e sempre prometemos algo que nunca iremos cumprir: Nos rever mais seguido, com motivos melhores.
Creio eu que não se trata de desdém, de esquecimento ou de falta de amor e afeto. A vida é assim mesmo e o que importa é viver o presente, o momento.
E que bom que há orkut, msn e internet. Ao menos a gente envia um scrap de vez enquando, bate um papo e manda aquela piada danada por e-mail.
Hoje quando vou a um funeral, em primeiro lugar penso nos familiares diretos que ficaram, o falecido já cumpriu sua função e oro que seja amparado pelos amigos espirituais. Aproveito para abraçar bem apertado os amigos distantes, e não raramente, rir lembrando de histórias do passado!